Razões que levam o gato a não utilizar a caixa de areia

Felinos domésticos são animais bastante asseados e desde pequenos não fazem as suas necessidades fora da caixa de areia.

O comportamento de fazer xixis e/ou cocôs fora do lugar pode ter vários motivos e pode indicar um problema passageiro ou algo mais sério.

 

1 – O GATO NÃO É CASTRADO

Gatos não castrados têm necessidade de marcar território por meio da urina.
Os machos costumam marcar o seu território mais frequentemente que as fêmeas e começam a fazê-lo por volta dos 8 meses de idade.
A marcação de território pode ser estimulada pelo aparecimento de uma macho na zona, por exemplo.
Mesmo que o gato não saia de casa, o animal pode conseguir ouvi-lo ou avistá-lo da janela.
A marcação de território é mais frequente nas alturas do cio.
As fêmeas pretendem atrair machos e os machos atrair fêmeas.
A urina utilizada para marcar o território geralmente é espalhada de forma diferente da urina que resulta de um “xixi” normal.
Ao marcar o território, os gatos pretendem espalhar a urina o mais alto possível e numa extensão maior.
Assim, as poças que encontra concentradas no chão não são, muito provavelmente, resultantes da marcação do território.
Estas são geralmente feitas contra algo vertical e caso seja feito no chão é deixado um carreiro o mais extenso possível.
Assim, se o seu gatinho ou gatinha ainda não é castrado, é hora de marcar a cirurgia – que resolve 90% destes casos.
A castração/esterilização deve ser feita antes deste comportamento aparecer para obter melhores resultados.
O cheiro da urina do gato é bastante intenso e apesar de o gato já estar castrado, o cheiro no sofá pode atraí-lo e levá-lo a urinar no mesmo sítio.
Caso castre/esterilize o animal, depois de este já ter começado a marcar o território, deverá ter o cuidado de remover qualquer cheiro a urina.
Aplique cheiros ácidos, mas não tóxicos, na zona, como por exemplo sumo de laranja ou limão.
Evite limpar a área com detergentes amoniacais (água sanitária) pois estes atraem os gatos levando-os a urinar!

 

2 – A CAIXA DE AREIA ESTÁ SUJA

Como já dissemos aqui, os gatos evitam usar uma caixinha de areia que está suja.
As fezes devem ser retiradas, no mínimo, 1 vez por dia.
Tente aumentar a frequência da limpeza da caixinha e veja se há algum resultado.

 

3 – A QUANTIDADE DE CAIXAS DE AREIA É INSUFICIENTE

Nem todos os gatos gostam de dividir a caixinha de areia.
Os gatos são animais territoriais e já aceitam partilhar a casa com outro felino, mas na grande maioria dos casos não toleram partilhar a caixa de areia.
As caixas devem estar em locais separados. Se colocar duas caixas seguidas, é, para os gatos, o mesmo que ter apenas uma.
Se tem mais de um gato, experimente acrescentar uma outra caixinha, para verificar se é esse o problema.

 

4 – A CAIXA DE AREIA É INADEQUADA

Pode ser que a caixa de areia seja muito pequena para o seu gato, e ele se sente desconfortável nela.
Gatos precisam de uma caixa em que haja espaço suficiente para girar e escavar. Invista numa caixa de areia maior.

 

5 – O GRANULADO É INADEQUADO

Há gatos que detestam areias perfumadas.
Outros gatos detestam sílica.
Tente mudar o tipo de granulado que você usa, até encontrar um que agrade o seu bichano.
Se pretende alterar o granulado, peça amostras para testar a reacção do seu gato, ou compre primeiro as embalagens mais pequenas.

 

6 – A CAIXA DE AREIA ESTÁ NUM LOCAL BARULHENTO OU DE DIFÍCIL ACESSO

No estado selvagem, fazer as necessidades coloca os gatos numa situação de vulnerabilidade.
Por este modo, o seu instinto leva-os a procurar locais resguardados e recatados para fazerem as suas necessidades.
Evite colocar a caixinha de areia ao lado da máquina de lavar roupa, ou ao lado de objetos que façam muito barulho e que possam assustar o seu gato quando ele estiver a fazer as necessidades.
Além disso, nem todos os gatos gostam de subir ou descer escadas para fazer xixi.
O local da caixa também não deve estar próximo de cheiros fortes considerados desagradáveis para os gatos.
Os gatos também são influenciados por más companhias, mas neste caso são os residentes de casa que o possam estar a bloquear o acesso à caixa de areia.
Uma criança ou um outro gato ou cão podem estar incomodar o gato enquanto ele faz as suas necessidades ou incomodá-lo quando ele se dirige para a caixa.
Observe o gato quando ele se dirige para a caixa de areia e observe se há algo no seu caminho.
Experimente mudar o local da caixinha de areia.

 

7 – A CAIXINHA DE AREIA ESTÁ MUITO PRÓXIMO DA COMIDA

Evite deixar os potes de ração e a caixinha de areia no mesmo ambiente. Se isso não for possível, coloque-os em paredes opostas, nunca próximos.

 

8 – O CHEIRO DOS PRODUTOS DE LIMPEZA ESTÁ MUITO FORTE

Gatos podem evitar a caixinha se sentirem nela o cheiro de desinfetantes ou de outros produtos de limpeza.

Assim, não se esqueça de enxaguar bem a caixinha de areia, para retirar os vestígios dos produtos usados na lavagem.

 

9 – HOUVE ALGUMA MUDANÇA RECENTE NA ROTINA DA CASA

Os gatos são animais de rotina e entram facilmente em stress quando há mudanças significativas em casa.
A mudança de hábitos deixa-os desorientados e podem mesmo ficar deprimidos.
A chegada de um novo gato ou de uma nova pessoa na casa pode ser bastante estressante para o seu gato ou gata.
Por estar nervoso, o gato pode fazer as necessidades fora do lugar.
Férias dos tutores ou mudança dos hábitos e horários de trabalho, passar menos tempo em casa, são outra forma de alterar a rotina dos gatos.
Como animais sensíveis que são, convém prepará-los para a mudança.

Algo que os humanos não costumam considerar quando o gato passa a urinar fora da caixa de areia é o barulho do exterior.
Devido ao apurado sentido de audição, o gato é bastante sensível a barulhos vindos do interior ou exterior da casa.
Obras na rua ou no apartamento ou na casa do lado podem colocar o gato em estresse.
A solução passa por movê-lo para a zona da casa com menos barulho e manter as janelas e portas fechadas para abafar o som.

Tente dar mais atenção ao seu companheiro felino para tentar descobrir a origem do problema.

 

10 – O GATO ESTÁ COM ALGUM PROBLEMA DE SAÚDE

Todas as alterações do padrão de comportamento dos gatos devem ser motivo de preocupação para os donos e razão suficiente para uma visita ao veterinário.
Urinar fora da caixa de areia não é exceção.
Como não podem falar, alguns gatinhos começam a fazer as necessidades fora do lugar para avisar os seus donos que estão a sentir dor ou que alguma coisa não vai bem.
Existem vários problemas de saúde que podem estar associados à eliminação imprópria de urina.

Problemas no trato urinário podem provocar dor ao urinar e o gato vai associar essa dor à caixa de areia, local que costuma usar.
Nós sabemos que o problema não é o local, mas o gato não o sabe e vai urinar pela casa até que encontre um local onde possa urinar sem dor.
Assim que o gato for tratado, ele volta a usar a caixa de areia normalmente.
Um outro problema pode ser a incontinência nos gatos, que afeta sobretudo os animais idosos.
Os gatos com este problema não conseguem controlar a urina e esvaziam a bexiga em qualquer lugar da casa.
Espalhar várias caixas de areia pela casa ajuda a reduzir o número de “xixis” em locais impróprios.
Nestes caos, pode ser necessário o uso de fraldas.
Por vezes, as caixas de areia estão colocadas em locais altos, acessíveis aos gatos a partir de um salto.
Este salto tem um grau de dificuldade mínimo para os gatos saudáveis, mas para os gatos com problemas nas articulações, tais como artrite, os saltos são penosos.
O gato deve ser acompanhado pelo veterinário, mas ajuda sempre colocar a caixa de areia ao nível do chão.
Diabetes, hipertiroidismo e outras doenças podem influenciar o sistema urinário do animal e afetar o seu comportamento.
O excesso de urina pode fazer com que a caixa de areia fique mais rapidamente suja e o gato pode recusar-se a utilizá-la nestas circunstâncias.
Tenha mais do que uma caixa de areia ou limpe-a mais frequentemente.
Mas o mais importante é despistar qualquer problema que possa estar a causar dor ou ameaçar a vida do animal.

Portanto, se você não conseguir identificar a causa do xixi fora do lugar, leve o seu gatinho a um veterinário e reporte o problema, para que ele possa verificar se está tudo bem com a saúde do seu companheiro felino.

Fonte:  http://arcadenoe.sapo.pt/artigo/gatos_necessidades_fora_da_caixa/361


 

 

Alerta!

Xixi Fora do Lugar é Sinal de Risco

 

Estudos internacionais mostram que as principais justificativas para o abandono dos felinos são:

problemas na interação com outros animais, agressão contra pessoas, comportamento destrutivo, mas o grande campeão é o xixi em lugar errado – o assunto é tão importante que virou tese de doutorado da médica veterinária e especialista em comportamento animal, Dra. Daniela Ramos (*).

“Essa é a queixa comportamental mais comum entre os proprietários de gatos, que infelizmente chega a ser inaceitável para muitas famílias. Em um levantamento feito em um abrigo dos EUA, 43% dos mais de mil tutores que haviam entregado seus gatos, apontaram problemas de eliminação como uma das razões para o abandono.”, aponta a especialista.

Realmente não é nada agradável abrir a porta de casa e encontrar tudo sujo.

      Antes de encarar o gato como vilão, anormal ou mal educado,

      tenha em mente que ele pode estar sofrendo de estresse

      ou até mesmo de um problema urinário.

Um gato que sente dor durante a micção, pode passar a evitar os locais onde sentiu o desconforto, como a caixa sanitária.

Já a marcação do território com fezes ou urina é uma maneira dos gatos estressados se sentirem mais confiantes num ambiente perturbador (mudança de casa ou
conflito com outro gato).

É importante procurar um  médico veterinário e, caso seja necessário, ele indicará um especialista em comportamento de felinos.

(Relação de Veterinários Solidários da ArcaBrasil – http://www.arcabrasil.org.br/lista-veterinarios-solidarios.php)

O profissional avaliará o gato como um todo, o temperamento, relacionamento familiar e o ambiente onde vive.

Há casos em que o uso de medicamentos e feromônios sintéticos são aliados importantes.

Dicas da Dra. Daniela Ramos

 

Torne a caixa sanitária atrativa.

Espalhe algumas delas por locais diferentes da casa.

Opte por locais tranquilos, evite colocá-las próximo a objetos barulhentos (ex: ao lado da maquina de lavar roupa) ou em locais escuros e de difícil acesso.

Para casas com vários gatos, o número ideal de caixas é o número de gatos mais um.

Se possível, para cada uma das caixas, utilize um substrato (o mais comum é areia higiênica própria para gatos, mas fuja das perfumadas, geralmente elas afastam os felinos) diferente para depósito de urina e fezes.

Pode-se, inclusive, deixar uma das caixas vazia.

Limpe as caixas sanitárias religiosamente.

Muitos gatos se recusam a utilizar locais sujos.

Diariamente recolha a sujeira e sempre que possível (pelo menos uma vez por semana) faça sua lavagem total.

Evite utilizar perfumes ou quaisquer outros produtos desodorizantes, principalmente aqueles à base de amônia ou similares, pois eles podem
espantar o gato!

Quanto às marcas de urina (ou fezes) espalhadas pela casa, procure limpá-las com produto que retire todo o odor (limpador biológico ou enzimático). Isso pode impedir que o gato retorne ao local para mais uma esguichada.

Evite broncas e recompense quando encontrá-lo eliminando adequadamente.

Gatos são extremamente sensíveis a qualquer tipo de bronca.

Portanto, caso você o pegue em pleno ato de eliminar em local errado, você poderá puni-lo lançando próximo a ele um objeto que faça barulho (um molho de chaves ou uma latinha com moedas). É fundamental que o gato não perceba que foi você quem lhe deu o susto!

E sempre que você presenciar a cena correta (o gato utilizando a caixa sanitária) elogie o bichano e ofereça um petisco dos mais gostosos.

Elimine os fatores de estresse.

Tente identificar possíveis elementos provocadores de estresse no seu gato.

Por exemplo: conflito com outros gatos, excesso de punições e/ou mau relacionamento com alguma pessoa da casa, falecimento de um companheiro (humano ou não-humano), mudança de casa, mudança na rotina das pessoas da casa, chegada de um novo morador a casa (humano ou não-humano) etc.

É fundamental que tais condições sejam relatadas ao Veterinário Comportamentalista, que irá recomendar medidas visando a adaptação do gato a cada uma delas.

Dra. Daniela Ramos – Especialista em Comportamento Animal. […]

Fonte – http://www.arcabrasil.org.br/noticias/1002_gatos.html em Fevereiro 2010.


A cirurgia de castração evita doenças, previne tumores, facilita o convívio e é garantia de bem estar emocional para cães e gatos, machos e fêmeas.

Saiba mais sobre os benefícios da cirurgia de castração: http://www.gatoverde.com.br/castracao/beneficios

 

GatoVerde, em defesa dos Direitos Animais

-