“Cães e gatos, assim como os humanos,

não precisam de ingredientes específicos;

precisam é de nutrientes específicos

- e estes podem ser encontrados com fartura nos vegetais.”

(Dr. Walter Albuquerque Araujo, Médico Veterinário especialista em nutrição)

*

Dieta Vegetariana para Cães e Gatos

 

Dr. Walter de Albuquerque Araújo, CRMV-SP 0730*

 

Há muita curiosidade das pessoas em saber se uma dieta vegetariana pode ser saudável e adequada para o cão e o gato.

Para os que têm dúvidas, já existem estudos que comprovam que eles podem ser vegetarianos.

Este artigo responde às dúvidas mais comuns, já que não há nenhuma razão científica que ateste ser impossível que o cão ou o gato possam ter uma vida totalmente saudável com uma dieta vegetariana.
É necessário apenas que ela atenda algumas exigências: ser formulada e produzida de forma a satisfazer todos os requisitos nutricionais, que esteja acondicionada apropriadamente, que seja palatável e facilmente identificada como alimento para os animais e, finalmente, que atenda os requisitos de segurança alimentar.

Assim como as demais espécies animais, o cão e o gato têm exigências específicas de nutrientes e não de ingredientes específicos.

A exploração zootécnica racional exige a utilização de ingredientes produzidos localmente e, obviamente, de menor custo e maior disponibilidade para o atendimento aos parâmetros razoáveis de custo e benefício.

Pode ser considerado natural ao cão e ao gato comer carne?

Nos primórdios, quando vagavam nas savanas, matas e planícies, eram predadores.
Portanto, tinham o hábito de caçar, matar e comer outros animais: pequenos herbívoros, roedores e pássaros.
Suas vítimas eram totalmente mastigadas e engolidas.
Quando as vítimas eram maiores, como os pequenos ruminantes, agiam como agem até hoje os grandes carnívoros em seus habitats naturais, abrindo a cavidade torácica e a abdominal, onde encontram o conteúdo do aparelho digestivo, em geral, vegetais ainda não digeridos ou parcialmente digeridos, tais como grãos e folhas.
Somente depois de se alimentar desse conteúdo, comem as vísceras, a gordura e alguns ossos.

Essa observação permite afirmar que, desde as priscas eras, tanto os pequenos como os grandes carnívoros estão aptos a digerir alimentos vegetais e deles obter os nutrientes de que necessitam.

Na verdade, a dieta dos seres vivos deve ser adequada às suas necessidades: em primeiro lugar para a manutenção de uma vida saudável e, depois, para atender à exigência do crescimento e desenvolvimento […].

Cães e gatos vivem na companhia dos humanos há milênios, competindo e comendo todos os tipos de alimentos que lhes são comuns.
Portanto, não é estranho nem antinatural que comam vegetais.

Quando da classificação das espécies, feita por volta do ano de 1735 por Linée (carnívoros/onívoros) houve uma tendência inicial de valorizar mais as características morfológicas e o comportamento alimentar de indivíduos semelhantes.

Atualmente, de acordo com a evolução do conhecimento humano e para dar mais precisão à classificação, semelhanças bioquímicas e genéticas vêm determinando mudanças nos critérios de classificação.

 

O NUTRIENTE PROTEÍNA

O nutriente mais questionado em toda esta polêmica carnívoro/onívoro é a proteína.

Dá-se o nome de proteína, seja ela vegetal ou animal, a uma macromolécula formada por dez átomos: cinco de hidrogênio (H), dois de carbono (C), dois de oxigênio (O) e um de nitrogênio (N).

Mas o que caracteriza a riqueza de uma fonte proteica são os aminoácidos essenciais que a compõem, e são estes aminoácidos que, tanto o cão como o gato, não podem sintetizar. Por isto têm que recebê-los prontos em suas rações.

Diversos livros sobre alimentação animal, artigos e palestras afirmam que as fontes de proteínas vegetais são pobres do ponto de vista nutricional.

No entanto, comparando com outras fontes de proteínas (quadro 1), vê-se que não há suporte para essa afirmação.

DIGESTIBILIDADE

Sobre digestibilidade é interessante observar a experiência científica nacional.
O quadro 2 revela que as fontes de proteínas vegetais são de melhor digestibilidade ou iguais às fontes de proteína animal.

DIGESTIBILIDADE DAS RAÇÕES VEGETARIANAS

Para se avaliar a digestibilidade dos nutrientes das rações destinadas à alimentação de cães foi desenvolvida, em canil sediado em Araraquara-SP, uma pesquisa com duas rações contendo carne e vegetais, e uma terceira exclusivamente vegetariana.

Percebe-se que em matéria de segurança alimentar, a dieta vegetariana é uma opção saudável também para cães e gatos, principalmente em tempos de síndrome de vaca louca e de gripe aviária. A síndrome da vaca louca já migrou dos ovinos para os bovinos, caprinos, cães, humanos e gatos e, conforme noticiado pela mídia, a gripe aviária teria sido a causa da morte de um gato na Alemanha.

PORQUE NÃO À CARNE

Sempre tive curiosidade em saber por que certas pessoas abdicam do prazer de comer carne.

Talvez por motivação filosófica, religiosa ou simplesmente por não lhes apetecer ou ainda não apreciar seu aspecto sanguíneo ou odor quando crua.

Encontrei em escrituras religiosas algumas frases que possivelmente tenham influenciado e justificado a opção por uma dieta vegetariana.

Gênesis 9:4 – “A carne, porém, com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis.”;
Levítico 7:26 – “E nenhum sangue comereis em qualquer das vossas habitações, quer de aves quer de gado.”;
Isaías 11:6 – “O urso será levado pela mão de uma criança, o lobo e o carneiro comerão na mesma manjedoura, o leão e o touro comerão da mesma palha.”

Buda – Aos sete anos de idade, o príncipe Siddharta Gautama (Buda), num dia de primavera quando se comemorava uma festa de plantio, saiu ao campo acompanhado por seu pai. Contemplando como um agricultor lavrava a terra, viu um pequeno pássaro que levou em seu bico um pequeno inseto que ficou preso no arado que removia a terra. “Pobres das criaturas vivas que se comem umas as outras!” E dizendo isto sentou embaixo de uma árvore em profunda tristeza a meditar.

Devo esclarecer que não sou vegetariano, mas sim, que respeito o direito à opção dietética que fazem.

Acredito na vida saudável com uma dieta vegetariana exclusiva, tanto para os humanos, como para seus animais de companhia, o cão e o gato.

* Walter de Albuquerque Araújo
Médico Veterinário CRMV-SP 0730
Diretor Executivo da WS – Consultoria & Nutrição Científica S/C Ltda.
Diretor e Membro Emérito do Colégio Brasileiro de Nutrição Animal-CBNA
– Boletim Informativo – nº47 – 2006


.

 

A Dieta Vegetariana para Cães

Para muitas pessoas, a ideia de alimentar seus cães sem utilizar como base a carne parece estranho e não-natural, e por isso muitas vezes criticam veementemente.

Porém, hoje sabemos que os cães, assim como os humanos, não precisam de ingredientes específicos, como carne ou ovos, mas precisam é de nutrientes específicos.

Então, para fornecer uma dieta balanceada sem carne, há vários anos pessoas preocupadas com o processo que é necessário para podermos obter a carne, pesquisaram a dieta vegetariana para cães e outros animais (inclusive os gatos) e desenvolveram diversos estudos sobre o assunto.

Assim, procuramos trazer a vocês uma compilação do que pesquisadores, veterinários e amantes de animais concluíram para que todos tivessem acesso às informações necessárias para a transição de uma dieta baseada em carne para uma dieta baseada em ingredientes vegetais, tendo a consciência de que essa mudança é a melhor para todos os animais e também para o meio ambiente.

Essa escolha por uma dieta vegetariana para cães não é recente, tendo em países como Estados Unidos e Inglaterra cães de várias gerações sendo alimentados somente com produtos de origem vegetal.

Portanto, antes de levar em consideração a falácia de que não é uma alimentação “natural”, deve-se refletir sobre a validade e a qualidade do termo “natural” dentro de uma alimentação, além do que, estudos mostram que a digestão de vários vegetais não é exatamente menor do que a de produtos derivados de animais nos cães.

Para maiores informações, leia o livro Cães Veganos, disponibilizado neste site – www.caesvegetarianos.info

A dieta saudável

Sabe-se que muitos dos produtos utilizados nas rações comerciais são subprodutos daqueles dirigidos ao consumo humano, ficando principalmente as partes que nós não comeríamos.

Assim, os produtos comerciais, em geral, estão sujeitos à baixa qualidade dos ingredientes que os compõem, além de todos os produtos químicos como hormônios e agrotóxicos utilizados.

Seguindo as valiosas informações dos livros aqui disponíveis e conversando com especialistas da área, você poderá criar uma dieta balanceada, podendo inclusive dar preferência a produtos orgânicos e fazer o seu cão brilhar de tanta vivacidade.

Também, sabe-se que muitas rações causam alergias aos animais, e estes podem ter alternativas saudáveis e ambientalmente sustentáveis.

A vida dos animais

O principal ponto discutido pela maioria daqueles que optaram por não mais dar alimentos derivados de animais é a diferenciação entre os animais ‘criados para o abate’ e os animais ‘de estimação’.

Existem países onde é culturalmente aceito comer cães. Em nosso país isso não é admitido, mas é permitido matar bois, porcos, peixes e galinhas.
Essa cultura gerou uma indústria de animais ‘de fazenda’ que são tratados como meros objetos a fim de satisfazer nossos gostos pessoais, sendo privados da liberdade que é concebida a todos os seres vivos, de um ponto de vista ético.

Assim, as diferenças entre matar um cão e um boi, mesmo que seja para a alimentação, se estreitam, e muitas pessoas que jamais conseguiriam passar um dia em um matadouro, financiam essa indústria comprando seus produtos.
Por essa incoerência, muitas pessoas renunciaram a esse mercado cruel tornando-se vegetarianos e estendendo essa decisão para seus animais de companhia.

Para saber mais sobre essa postura, vejam o livro “Libertação Animal” de Peter Singer ou o livro “Seja Vegano” do veterinário Wilson Grassi.

As opções de dietas

Você pode seguir as sugestões descritas nestes livros para preparar uma alimentação caseira, atentando-se aos suplementos necessários para garantir que todos os nutrientes estão sendo fornecidos de maneira adequada, ou poderá optar pela ração comercial produzida pela Fri-ribe.

Caso você se sinta desconfortável com o fato de incluir suplementos vitamínicos na dieta do seu cão, lembre-se que não há ração no mercado, seja ela vegetariana ou com carne, que não seja suplementada.
E os suplementos vitamínicos não são nocivos à saúde dos seus cães, ao contrário, garantem a saúde e o equilíbrio.

Além do mais, o custo-benefício de um suplemento com relação da vida de um animal e mais os impactos ambientais, são compensadores.

Para conhecer mais sobre os prejuízos ambientais de uma dieta baseada em carne, leia os livros disponibilizados em nosso site ou acesse o site da Sociedade Vegetariana Brasileira.

Se quiser um conhecimento mais detalhado em como alimentar seus cães de uma maneira saudável e sustentável, veja nossos livros.

http://www.caesvegetarianos.info/dieta/

Se ainda tiver alguma dúvida sobre a dieta de seu cão, utilize nossa área de perguntas.

http://www.caesvegetarianos.info

Para começar a agradar seu companheiro animal, procure algo especial em nossa área de receitas.

E para ver cães que já brilham em uma dieta vegetariana e expressar sua opinião, acesse a nossa seção de comunidade.

Fonte – http://www.caesvegetarianos.info/dieta/

—-

RECEITAS, PERGUNTAS E RESPOSTAS, DEPOIMENTOS E LIVROS.

http://www.caesvegetarianos.info


 

Alimentação Vegetariana para Cães e Gatos

Tradução: Anna Cristina – Revisão: Ubiratan R.

VeganCats.com  tem como princípio o fato de que as vidas de TODOS os animais são valiosas.
Para nós, apoiar a indústria da carne e da morte, nos abatedouros, através da compra de ração para alimentar nossos animais de estimação, contradiz a filosofia dos direitos dos animais e os princípios do veganismo.
Continuar alimentando nossos animais com carne ou rações com carne, perpetua maldades desnecessárias e inimagináveis. – http://www.VegePets.info

A verdade sobre a alimentação carnívora e vegetariana

para cães e gatos

Andrew Knight, Médico Veterinário

 

Os terríveis sofrimentos e a morte impostos a cerca de cinquenta bilhões de frangos, porcos, bovinos e outros animais anualmente, ocasionados pela criação industrial intensiva e que incluem, também, milhões de peixes, já foram descritos em vários textos assim como os efeitos nefastos para o meio ambiente. Tudo isso para satisfazer o desejo de alguns de comer carne.

Por causa de questões éticas e muitos problemas de saúde, como as alergias causadas pela absorção de alimentos à base de carne de boi, carneiro e outros, que as marcas de alimentos vegetarianos foram criadas para alimentar cães e gatos.

Todavia, a alimentação vegetariana para animais continua sendo um tema cheio de controvérsias exacerbadas pela ignorância, sobretudo, relacionadas aos problemas nutricionais e de saúde. E isso acontece com frequência, entre os médicos veterinários.

Como veterinário, afirmo que as doenças degenerativas como o câncer, as insuficiências hepáticas e as paradas cardíacas ocorrem com muito mais frequência do que deveriam, e que muitas dessas doenças são agravadas ou diretamente provocadas pelos numerosos ingredientes (mais que duvidosos) presentes nos alimentos com carne vendidos em latas para alimentar cães e gatos.

As doenças renais, por exemplo, são uma das maiores causas de morte dos animais de estimação, e essas doenças são agravadas pela sobrecarga de proteínas que é estocada nos rins  (Di Bartola et al., 1993) e, também, por causa da baixa qualidade da maior parte das rações disponíveis no mercado.

Não diagnosticada, a doença renal pode provocar os aparecimentos sistemáticos de toxinas, conduzindo à perda do apetite e envenenamento pelo aumento da taxa de urecemia, vômitos, desordens neurológicas e a morte do animal.

A grave doença do hipertireoidismo dos gatos apareceu nos anos 70, exatamente na época em que as rações em lata destinadas à alimentação dos gatos apareceram no mercado. Podemos relacionar a quantidade excessiva de iodo, presente nesse tipo de alimento, com o aparecimento dessa doença (Smith, 1993).

Os cães podem ser classificados, biologicamente, como onívoros, por causa da capacidade inata de se alimentarem de forma mista: alimentos de origem animal e alimentos à base de plantas. Todos os dois presentes em seu meio ambiente natural.

Já os gatos, são classificados como, obrigatoriamente, carnívoros, por causa de sua anatomia e de sua adaptação fisiológica e bioquímica a um estilo de vida carnívoro, o que lhes impede de aproveitar os benefícios substanciais das plantas que estão presentes no meio ambiente onde vivem.

Cães e gatos selvagens consomem resíduos de plantas presentes no aparelho digestivo da presa que comeram.

Apesar dos preconceitos sobre a alimentação vegetariana para animais, não existem provas científicas que uma dieta composta essencialmente de plantas, minerais e alimentos de base sintética não seja válida para paliar as necessidades gustativas, nutricionais e biológicas dos animais.

Várias dietas veganas (sem produtos de origem animal) que encontramos no comércio defendem esse princípio e mantêm saudáveis, durante anos, milhares de cães, gatos e furões (considerados animais carnívoros por excelência). (Weisman, 2004).

Preservar os animais

A utilização apropriada de complementos nutricionais completos ou de um regime equilibrado, é essencial para prevenir as doenças cardíacas (ou outras) e na preservação da saúde de nossos animais vegetarianos.

Um teste regular de pH da urina também é importante para detectar a alcalinização desta, com as consequências potenciais de cálculos urinários, cistites e infecções que raramente ocorrem quando um animal é vegetariano.

Fazer a transição para uma Alimentação Vegetariana

A “fixação” que alguns cães e gatos fazem em comer apenas um tipo de ração com carne acontece por causa da adição da ‘sopa digestiva’ ao alimento de base.
A sopa digestiva é um eufemismo utilizado pela indústria da carne para descrever as vísceras das galinhas parcialmente dissolvidas. De acordo com a Small Animal clinical Nutrition, « A sopa digestiva é, provavelmente, a melhor maneira empregada nos últimos anos para melhorar o sabor das rações para os gatos e, em menor escala, para os cães » (Lewis et al., 1987).

Por isso, se você mudar a alimentação de seus animais, será necessário ter  paciência e  perseverança, principalmente  com gatos reticentes.
Nos casos mais difíceis, talvez seja necessário deixar o animal um dia inteiro sem comer (mas tomando água). Isso vai estimular seu apetite sem causar danos à sua saúde. Pode ser necessário mudar a alimentação de seu animal de forma gradual, por exemplo, utilizando 90% da comida antiga durante alguns dias e 10% da vegetariana, depois passar a 80% e 20% durante alguns dias, fazendo assim uma transição durante várias semanas ou mesmo mais tempo se necessário. Nos casos mais difíceis, uma mudança gradual pode ser mais bem aceita pelo animal e permite também uma transição mais apropriada das enzimas digestivas e da flora intestinal (bactérias), diminuindo assim os riscos de reações gastrointestinais como a diarreia.

As pessoas deveriam mostrar, através de seus comportamentos, que consideram a nova alimentação tão válida como a antiga sem alarmes ou escândalos.
Também não devem ficar inquietas se no início o animal apenas olhar a comida e sair. Colocar a comida vegetariana no mesmo lugar onde ficava a antiga comida é suficiente para que o animal faça a associação mental. Moer a nova ração pode também ser eficaz, assim como também pode dar certo acrescentar aditivos odoríficos (o sentido do olfato é extremamente desenvolvido nos gatos) e sabores, como a levedura tradicional, óleos vegetais, folhas de alga nori e espirulina (clorela). Esquentar a comida também pode surtir efeito. Toda comida que não foi tocada deve ser retirada, oferecer ao animal somente comida fresca.

Os fatores mais importantes ao longo de uma transição difícil para uma alimentação vegetariana são a mudança gradual e a perseverança.
Adotando esses dois fatores muitas pessoas conseguiram que cães e gatos, reticentes e difíceis, passassem a adotar uma alimentação vegetariana.

 

Receitas vegetarianas para animais podem ser obtidas com Peden (1999) et Gillen (2003) ou consultadas nos sites dos seguintes fornecedores
http://www.vegepet.com  –  http://www.vegancats.com  –  http://www.aminews.net

 

Referências:
– Animal Protection Institute(API). What is REALLY in your pet’s food?: you may not want to know. Revised 29 Jan 2002. abc12.com
WJRT-TV/DT. 17 May, 2004. http://abclocal.go.com/wjrt/news/051004_CO_r2_pet_food.html
– DiBartola SP, Buffington CA, Chew DJ, McLoughlin MA, Sparks RA. Development of chronic renal disease in cats fed a commercial diet. J Am Vet Med Assoc. 1993 Mar 1;202(5):744-751.
– Dow SW, Fettman MJ, Curtis CR, LeCouteur RA. Hypokalemia in cats: 186 cases (1984-1987). J Am Vet Med Assoc. 1989 Jun1;194(11):1604-8.
– Freytag TL, Liu SM, Rogers QR, Morris JG. Teratogenic effects of chronic ingestion of high levels of vitamin A in cats. J Anim Physiol Anim Nutr (Berl). 2003 Feb;87(1-2):42-51.
– Gillen, J. 2003. Obligate Carnivore. Seattle, WA: Stein Hoist Books.
– Lewis L., Morris M., Hand M. Small Animal Clinical Nutrition. 3rd Edn. Topeka, KS, US: Mark Morris Associates. 1987:2-3.
– Peden J. 1999. Vegetarian Cats & Dogs. 3rd Edn. Troy, MT: Harbingers of a New Age.
– People for the Ethical Treatment of Animals (PETA). Dog health survey. Unpublished. 1994. http://www.helpinganimals.com/h-vegcat-survey.html  – 12 Aug. 2004.
– Perry T. What’s really for dinner?: the truth about commercial pet food. The Animals” Agenda. 1996. Nov. – Dec. http://www.preciouspets.org/truth.htm
– Smith C.A. Research roundup: changes and challenges in feline nutrition. J Am Vet Med Assoc. 1993;203:1395-1400.
– Strieker MJ, Morris JG, Feldman BF, Rogers QR. Vitamin K deficiency in cats fed commercial fish-based diets. J Small Anim Pract. 1996 Jul;37(7):322-6.
– Weisman E. Personal communication to Andrew Knight re: Evolution Diet vegan pet food. 24 Feb. 2004.

 

Dr. Andrew Knight, Médico Veterinário

www.AnimalConsultants.org

Publicado em GatoVerde – http://www.gatoverde.com.br/caes-gatos/dieta-vegetariana/


.

Pode-se alimentar um gato ou cão com dieta vegetariana (vegana)?

Sociedade Vegetariana do Reino Unido

Esses animais podem receber uma dieta vegetariana, mas não são vegans por natureza – cães são onívoros e gatos, carnívoros.
Embora cães e gatos pertençam à classe dos carnívoros, isso não quer dizer muita coisa, pois o urso panda também pertence à mesma classe e é quase vegan.

Mas, por sua própria natureza, cães de gatos não comeriam o que se encontra numa lata de comida para animais de estimação.
É preciso estabelecer dietas especiais para gatos, que precisam de um aminoácido chamado taurina encontrado nos músculos de animais.

Já se desenvolveu a taurina sintética, usada em alimentos comerciais (não vegetarianos) para gatos.
Gatos vegetarianos devem receber suplementos de taurina.
A deficiência de taurina pode causar cegueira e até mesmo morte.
Os gatos também precisam de vitamina A pré-formada e ácido araquidônico.

Todos os alimentos vegans para gatos contêm esses ingredientes essenciais, e as empresas norte-americanas listadas abaixo os incluem em seus produtos para felinos.
Consulte o veterinário a respeito da mudança da dieta de seu companheiro canino ou felino, caso esteja preocupado.

Não só é POSSÍVEL alimentar a maioria dos cães e gatos com uma dieta sem carne como também é DESEJÁVEL.
Comprar comida “normal” para animais domésticos é dar apoio à mesma indústria da carne, com toda a sua corte de crueldade, exploração, desperdício e danos ambientais, à qual o veganismo tanto se opõe.

Por que dez cavalos/vacas/galinhas/patos ou qualquer outro bicho têm de sofrer e morrer todo ano só para sustentar um gato ou um cachorro?

Este não é um caso de “imposição de crenças” a seus animais de estimação (ou de companhia, ou como quer que você os chame), já que você não os está forçando a comer (nem está impedindo que comam animais selvagens ou silvestres caso passeiem pela vizinhança).

Além disso, animais não têm moral nem crenças.
Fazem o que for necessário para sobreviver, e não demonstram preferência por isto ou aquilo com base no impacto causado sobre outras coisas.
Nós, no entanto, podemos tomar decisões morais e éticas – tais como a decisão de ser vegan.

No ambiente selvagem, sobreviver significa “matar alguma coisa ou morrer de fome”, mas se seu companheiro animal já está sendo alimentado isto se torna desnecessário.
Além disso, a alimentação vegan não é menos natural para um cão ou gato de estimação do que outros tipos de alimentação.

Em primeiro lugar, o cão ou gato domesticado tem pouca semelhança com seus primos selvagens, e assim já estamos numa situação artificial.
Em segundo lugar, o próprio ato de dar-lhe alimentos tirados de uma lata (em vez de deixá-lo procurar sua própria comida) é antinatural, e assim você pode muito bem aperfeiçoá-lo. Em terceiro lugar, o verdadeiro conteúdo das latas de alimentos comerciais para animais domésticos não tem semelhança alguma com o que um cão ou gato comeria em ambiente selvagem… Você consegue imaginar seu querido gatinho matando cavalos e vacas e mergulhando no fundo do mar para pescar atum (um peixe enorme)?

E esses insetos, moscas etc.?
Por que matar um inseto se isso não é necessário?
O mesmo se aplica a usar insetos mortos em broches, asas esmagadas de insetos em maquiagem iridescente para os olhos ou insetos moribundos em feijões saltadores (semente de uma planta mexicana que salta devido aos movimentos de uma larva – Carpocapsa saltitans).

Por que promover, mesmo neste nível, o frio desrespeito pelas coisas vivas à nossa volta?

Com boas razões, com base em nossa intuição ética, a alma bondosa que pega as moscas numa rede para soltá-las vivas fora de casa nos causa mais impressão do que a pessoa que as caça com a morte química numa embalagem de inseticida.

Mesmo se o nosso grande caçador branco e suburbano de moscas domésticas usasse um mata-moscas por razões ecológicas, o comportamento mais admirável é o da pessoa que usa uma rede de pegar borboletas para simplesmente capturar a mosca e soltá-la do lado de fora.

Isso não significa que temos de deixar que nossas casas sejam invadidas por pragas nem que nossos jardins e hortas sejam destruídos.
O bom senso deve prevalecer.*

*Há meios naturais de evitar “pragas” sem que seja preciso optar pela morte de pequenos animais que gostam de suas vidas e à ela tem direito.

(Folheto informativo da Sociedade Vegetariana do Reino Unido – http://www.vegandognutritionassociation.com)

Publicado em GatoVerde – http://www.gatoverde.com.br/caes-gatos/dieta-vegetariana/


.

LIVRO PARA DOWLOAD

“CÃES VEGANOS – Nutrição com compaixão”

http://www.caesvegetarianos.info/media/livro_pt.pdf


 

No Brasil, há apenas uma marca de Ração Vegetariana para Cães:

FriDog – Ração Vegetariana para Cães

High Premium

– Auxílio eficaz no tratamento das dermatites alérgicas
– Baixo nível de sal – indicação para cães com problemas renais, cardíacos e idosos
– Redução de problemas gastrointestinais
– Saudável e saborosa
– Alimento completo, com alta digestibilidade
– Indicada a todas as raças, portes e idades

 

FRIDOG VEGETARIANA (High Premium)

http://www.fri-ribe.com.br/vegetariana.php

Loja on line:

http://www.guiavegano.com.br/vegan/racao-vegetariana/racoes/racao-vegetariana-fridog-2-kg

Representante da FriDog em São Paulo:

Eurides –  (11) 3494.6464 –  racaoveg@gmail.com

 


 

 

Cão Vegano

O maior dilema para os veganos é alimentar os seus animais de companhia à base de carne.
Tanto aos cães adultos como aos muito jovens pode ser administrado um regime vegan, desde que equilibrado e atendendo às necessidades de cada idade.
Os cães não apresentam dificuldade em digerir a proteína vegetal.
As seguintes sugestões são apenas alguns exemplos e não referências fixas.

Cães Adultos – Pequeno almoço – (de manhã ou ao meio-dia):
– Farinha de cereais com leite de soja ou água, de maneira a formar uma papa consistente e energética;
– Cereais inteiros cozidos em fogo brando com leite de soja,  (para amolecê-los).

Jantar – (à tarde ou ao anoitecer) :
– tofu picado ou em pedaços e cozinhados;
– Arroz com Algas; Lentilhas, Feijão, Ervilhas e Grãos de Soja (cozinhar todas as leguminosas);
– Sopa de Legumes (com espinafre, tomate, cenoura, batata, feijão verde, agrião etc..);
– Patês vegetais: de grão, brócolis, couve-flor, tomate, cenoura, feijão, lentilhas etc..

Outros alimentos possíveis:
– Frutas cruas em pedaços, cozidas ou desidratadas;
– Sucos naturais (sem adição de açúcar) de maçã, melancia, cenoura, melão e laranja;
– Pão fresco ou tostado, sanduíches com vegetais divididas em pequenas porções;
– Arroz integral;

Os cães precisam de alimentos rígidos para exercitar as suas maxilas e gengivas.
Eles podem mastigar uma cenoura inteira, maçãs cruas e ração ou biscoitos veganos para cães.

Fonte: http://www.centrovegetariano.org/index.php?article_id=284  (Portugal)


 

ENTREVISTA à Revista O Pulo do Gato

Dr. Walter de Albuquerque Araújo, Médico Veterinário especialista em Nutrição

Gatos Vegetarianos: seria possível?

 

Muitos gateiros adotam o vegetarianismo como dieta e gostariam que seus bichanos o fizessem também. Mas será que é saudável?
Confira opinião do especialista.

Os pequenos predadores, como os gatos, quando caçam pequenos animais, como ratos e pássaros, os mastigam e ingerem integralmente.

Como sabemos, o aparelho digestivo da presa sempre está repleto de vegetais, folhas e grãos, alguns já digeridos, outros ainda não.
Essa dieta naturalmente onívora quando consumida pelo predador é digerida e assimilada corretamente.

Portanto, uma dieta onívora ou totalmente vegetariana, de acordo com os avanços tecnológicos, pode ser considerada como natural, tanto para grandes felinos, como os leões, quanto para pequenos carnívoros.

Em todos esses anos de evolução a espécie humana, o gato e o cão se adaptaram a uma dieta onívora e até a vegetariana.

Mas em pleno século XXI há quem duvide disso e ainda batem os pés dizendo que cães e gatos são exclusivamente carnívoros.

Alguns dizem que o cão é um carnívoro facultativo e, por este motivo, já se conformaram e aceitaram as dietas vegetarianas para cães, mesmo que à contra gosto.

A seguir, responderei às perguntas mais frequentes sobre dietas vegetarianas para gatos e cães.

 

1. O gato pode ter uma vida totalmente saudável com uma dieta vegetariana?

Sim! Ambas dietas propiciam uma alimentação adequada, isto é, se estiverem devidamente balanceadas e condicionadas de acordo com as exigências nutricionais dos gatos e dos cães.

 

2. O gato sofrerá a falta de algum nutriente?

O gato ou o cão que recebam dietas vegetarianas específicas não poderão sofrer com a falta de nenhum nutriente, porque a dieta estará devidamente formulada, equilibrada e atenderá a todas as exigências nutricionais específicas.
As referências para a formulação das dietas e as exigências nutricionais para gatos e cães, estão publicadas pelo National Research Council, no livro Nutrients Requirements of Dogs and Cats em 2003 e no Brasil em trabalhos publicados pelos nutricionistas e pesquisadores Aulus Carciofi, da UNESP e Flávia Saad, da UFLA.

 

3. Quais os ingredientes que seriam mais indicados e que trariam mais benefícios?

Como fontes de energia: as farinhas de Arroz, Trigo, Aveia, Milho, Germe de milho, Cevada, Sorgo e óleo de linhaça.
Como fontes de Proteína: os farelos de Glúten de Milho, a Proteína texturizada de soja, Levedura de cerveja. Não existe ingrediente que seja universal, milagroso, completo, o mais forte e que traga mais benefícios aos animais sejam eles gatos, cães ou humanos ou ainda que substitua todos os outros ingredientes.
O importante é não usar apenas uma fonte de energia ou de proteína na fórmula, mas sim, três ou mais para formar uma mescla bem balanceada. Atenção: o fornecedor deve ser idôneo.

 

4. A dieta vegetariana é recomendada para cães e gatos obesos, diabéticos, alérgicos, com problemas renais, cardiovasculares? Ela é uma ração “light”?

Não, em princípio ela não é uma ração medicamentosa cuja finalidade é curar ou ainda prevenir doenças ou para que o animal perca peso.
Uma dieta vegetariana é, dentro da classificação do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), uma ração completa da mesma categoria que as rações não-vegetarianas.

 

5. As rações vegetarianas possuem Taurina e Cartinina?

Sim!
As rações vegetarianas possuem Taurina e Carnitina sintéticas que são suplementadas.
As fontes de proteínas animais contêm Vitamina B12, Taurina, Carnitina e Ácido ao Araquidônico, nutrientes que não são encontrados nas proteínas vegetais.
Porém, isto não impede que se produza uma dieta exclusivamente vegetariana para gato, pois existe produção sintética da Vitamina B12, Taurina e Carnitina.
Quanto ao Ácido Araquidônico, não há problema, pois existe uma fonte desse ácido de origem não animal que está há muito tempo disponível no mercado internacional.
Portanto, basta apenas que se suplemente convenientemente a dieta.

 

Conclusão

É possível e saudável alimentar gatos e cães durante toda a vida com uma dieta exclusivamente vegetariana.

Sempre me perguntam qual o conselho que eu daria para as pessoas que queiram adotar uma dieta vegetariana para seus animais de estimação, o gato e o cão.

Após uma reflexão filosófica sobre a palavra “conselho”, lhes digo que há três opções.

A primeira é comprar de uma indústria idônea do setor de alimentação animal brasileira, a ração vegetariana, no caso dos donos de cães.

A segunda é importar o produto que existe disponível no mercado internacional, no caso das rações para gatos.

A terceira é fazê-la em casa.

Para tanto é necessária a assistência de um médico veterinário que seja nutricionista para que receite e lhe oriente como preparar, conservar e fornecer a dieta que dará ao seu gato ou cão.

 

Relembro que no Brasil existe a Ração Vegetariana para cães há 13 anos, mas ainda não há disponível no mercado brasileiro uma ração vegetariana para gatos.

Walter de Albuquerque Araújo

Médico Veterinário, CRMV-SP Nº 0730 e CRMV-BA 2922 “S”.

Diretor Executivo da “WS-Consultoria & Nutrição Científica S/C Ltda e Diretor e Membro Emérito do Colégio Brasileiro de Nutrição Animal-CBNA  – 2012

Fonte: http://www.revistapulodogato.com.br/pulodogato/materia-on-line-gato-vegetariano.php


 

Veja também

VÍDEO: Cães e Gatos Vegetarianos – Por que não mesmo?

https://www.youtube.com/watch?t=190&v=B-MZeDPDVKY

ARTIGO: Cães e Gatos Veganos

http://www.centrovegetariano.org/Article-140-C%25E3es%2Be%2Bgatos%2Bveganos.html

ARTIGO: Rancho dos Gnomos tenta alimentar leões com Ração Vegetariana

http://vista-se.com.br/rancho-dos-gnomos-tenta-alimentar-leoes-com-racao-vegetariana/

NOTÍCIA: Cão Vegano morreu com 27 anos

http://uipi.com.br/destaques/destaque-2/2014/06/15/cachorro-com-alimentacao-vegana-vive-189-anos/


 

RAÇÃO VEGETARIANA PARA CÃES

Só há uma Ração Vegetariana para Cães no Brasil: FriDog Vegetariana

http://www.fri-ribe.com.br/vegetariana.php

Venda on line:

http://www.guiavegano.com.br/vegan/racao-vegetariana/racoes/racao-vegetariana-fridog-2-kg

 

RAÇÃO VEGETARIANA PARA GATOS

No Brasil, não há ração Vegetariana Estrita para Gatos.

Há 2 rações fabricadas na Itália, AMICAT e BENEVO, que são comercializadas por sites dos EUA e podem ser importadas:

http://www.vegancats.com/

http://store.veganessentials.com/ami-cat-vegan-cat-food-p2246.aspx

http://www.amipetfood.com/en/products/products-for-cats/amicat

http://www.petvegetarianfood.com/amicatvegancatfood.html

http://www.veggiepets.com/acatalog/vegecat_vegan_cat_food.html

http://www.amazon.com/AMI-CAT-VEGAN-FOOD/dp/B007ZOD95M

http://store.nexternal.com/vegancats/vegan-cat-food-c1.aspx

http://www.greenleafvegandist.com/amicat.html

OBSERVAÇÕES DO SITE

Algumas pessoas que deram depoimentos e já ofereceram essas duas rações para seus companheiros felinos, declararam que eles aceitaram melhor a ração AMICAT. Ela parece ser mais palatável que a Benevo.

CONCLUSÃO

Oferecer ao gato uma “Dieta Vegetariana Estrita” é diferente de oferecer alimentos vegetais sem os suplementos necessários – suplementos que também são usados pelas rações feitas à base de carnes de outros animais.

Uma “Dieta Vegetariana” precisa ter os nutrientes adequados em quantidade adequada à espécie felina.

Portanto, para alimentar um gato com uma “Dieta Vegetariana Estrita”, é preciso ter muita informação.

Para isso, recomendo fortemente o vídeo https://www.youtube.com/watch?t=190&v=B-MZeDPDVKY .

 

Deolinda Eleutério

Organizadora do site “Gato Verde, em defesa dos Direitos Animais”

Maio de 2015


 

-

Gato Verde em defesa dos Direitos Animais

-