- Cães Ansiosos e Hiperativos

- Comportamento Destrutivo

.

CÃES ANSIOSOS E HIPERATIVOS

 

Cães ansiosos são sempre hiperativos, ficam o tempo todo tentando chamar a atenção, e nunca conseguem relaxar.

Só param quando ficam exaustos.

Este é um comportamento muito comum nos cães, e (infelizmente) raros são os tutores que conseguem lidar com isso.

Não existe uma causa que sozinha determine se um cão será ou não ansioso, mas algumas questões são determinantes desse comportamento.

O ambiente em que o cão fica é fundamental.

Raros são os cães que têm estabilidade emocional para aguentarem ficar sozinhos o dia inteiro.

Mesmo assim sabemos que esta é uma condição muito comum na vida dos cães.

Cães precisam ter companhia!

Isto é mais importante até do que ter espaço.  […]

As vezes, a pessoa não consegue ter uma boa convivência com o próprio cão, nunca chegando a estabelecer uma relação de liderança.

O cão reage, tentando fazer de tudo para ter a atenção do dono, mesmo que seja a atenção negativa […]

Essas tentativas costumam ser desajeitadas e chegam a machucar as pessoas ou outros animais que convivem.

Isto afasta oas pessoas cada vez mais do cão, tornando tudo um círculo vicioso:

– o cão é ansioso; e por conta disso as pessoas evitam o contato; e com isso aumentando mais a carência do cão, que fica mais ansioso.

 

Outra situação a ser ressaltada é o caso de cães que não têm qualquer distração.

Nada pior para um cão do que a falta de atividade.

Cães precisam de distração; precisam brincar.

Muitos se distraem olhando a rua; outros passam horas brincado com bolinhas; roendo ossos etc.

Porém há muitos cães que não tem nada o que fazer o dia inteiro! Nada!

Toda a energia deste cão fica totalmente canalizada para a hora que seu dtutor abre a porta de casa ao chegar do trabalho.

Daí temos o mesmo problema que descrevi antes: o cão machuca, o tutor o rejeita, ele fica mais ansioso etc.

Isso tem solução???

Tem!

Temos que mudar o ambiente deste cão de forma que ele possa ter uma vida saudável.

Neste sentido, precisamos também trabalhar a relação entre o dono e o cão de forma que os desejos do tutor sejam mais claros para o cão, ou seja,

é preciso ser um líder para o cachorro.

Além disso, é importante que o tutor aja de forma a estimular que o cão tenha um comportamento mais calmo.

Muitas vezes a pessoa só dá atenção ao cão quando este está latindo muito, ou fazendo muito bagunça.

Isto em linguagem canina quer dizer: faça bagunça, e você terá a minha atenção; ou lata muito, e eu olharei pra você.

Ou seja: mais uma vez estamos falando da atenção negativa.

Falar bem baixo, por exemplo, fará com que o cão tenha que ficar menos agitado para poder ouvir o que estamos falando.

Gritar é pior,

pois o cão pode acreditar que a liderança será conseguida (literalmente) no grito, então ele irá gritar da única forma que ele sabe: latindo, e bem alto.

Quando falamos baixo, no entanto, não só fazemos com que ele mude de comportamento, para poder prestar a atenção ao que falamos.

Assim também proporcionamos a ele a possibilidade de poder ouvir suavemente a nossa voz.

Ele vai adorar!

Comece a agradá-lo suavemente enquanto ele ficar quieto.  […]

Nunca dê atenção ou faça carinho quando ele estiver agitado.

Quando ele estiver agitado e ansioso cruze os braços, dê as costas e ignore-o.

Assim que ele ficar parado de novo, comece a fazer carinho e falar baixinho.

Isso ensinará a ele que quando ele fica quietinho você faz carinho nele.

É importante recompensar o cão sempre que ele se mostrar calmo e carinhoso.

Atividades agitadas não devem ser incentivadas.

Quem tem um cão muito ativo, deve evitar brincadeiras muito agitadas

Toda atitude mais bruta deve ser rechaçada.

Mostre que quando ele fica calmo ele terá a sua atenção, o seu carinho, e até pode ganhar um petisco!

Não se esqueça, também de se certificar que seu cão não fique entediado.  […]

Outra dica são os brinquedos feitos para cães solitários.

São brinquedos que distraem o cão, normalmente usando a própria comida do cão como objetivo: o cão tem que mexer o brinquedo de determinada forma para conseguir a comida, ou petisco.

 

É importante falar que estas coisas levam tempo.

A mudança de comportamento do cão é gradual, e exige tempo e determinação das pessoas para educá-lo

 

Boa sorte!

Maíce Costa Carvalho, adestradora

Texto adaptado de http://www.dogtimes.com.br/ansiedade.htm 

 


 

CÃES QUE DESTRÓEM COISAS E MÓVEIS

COMPORTAMENTO DESTRUTIVO

 

É preciso entender os motivos pelos quais um cachorro age dessa forma e identificar se esse comportamento é normal aos primeiros sinais.

 

Sintomas e tipos de comportamento destrutivo em cães

É preciso avaliar em que nível seu cão está.
Há mais de um estágio desse tipo de comportamento, podendo ser mais leve, quando o cachorro não destrói muito, ou avançado, quando a destruição torne-se bastante agressiva.

 

NÍVEIS DE COMPORTAMENTO DESTRUTIVO e os sinais clínicos de cada um

     1 – Comportamento destrutivo primário
Quando o cão está nessa fase, destruirá coisas como pernas de móveis e até plantas.
O ato de cavar também é um sinal do comportamento destrutivo, e o animal pode fazer isto enquanto estiver longe ou perto de seu dono.

     2 – Comportamento destrutivo secundário
O cachorro só vai destruir quando o dono estiver por perto, pois estará querendo ganhar sua atenção.

     3 – Comportamento destrutivo obsessivo ou compulsivo
Quando o animal passa tempo demais mordendo ou lambendo móveis, tapetes ou até mesmo suas pernas, o comportamento pode ser compulsivo, e ocorre quando dono estiver por perto ou não.

    4 – Comportamento destrutivo relacionado à ansiedade ou separação
Nesse caso, o cão irá mastigar as coisas do dono, destruir portas, móveis, tapetes e tudo o que vir pela frente.
Geralmente, nesse estágio, o proprietário não está por perto quando o cão age dessa forma.

     5 – Comportamento destrutivo relacionado ao medo
Quando o cão possui fobia ou medo, o ato de destruir pode ser um sinal clínico junto com o medo de trovões, por exemplo.
Além disso, terá tremedeira e desenvolverá os sinais quando o dono estiver perto, agravando-os quando o proprietário sair.

 

CAUSAS DO COMPORTAMENTO DESTRUTIVO

As causas do comportamento destrutivo estão relacionadas ao tipo (nível de destruição) e também aos sinais clínicos desenvolvidos.

No caso do comportamento primário, a falta de supervisão ou de atividade diária são as causas mais prováveis.

No caso do comportamento secundário, pode ser apenas uma questão de proteger o seu território.

Quando há uma obsessão, o comportamento está relacionado a algum tipo de distúrbio, e o médico veterinário deve ser consultado imediatamente.

No caso da ansiedade ou separação, deverá ser realizado um tratamento que o trate desse mal, senão não vai parar de destruir.

O mesmo vale para o medo e a fobia.

 

DIAGNÓSTICO DO COMPORTAMENTO DESTRUTIVO

Visite o veterinário para diagnosticar seu cão.

Pode ser que você demore um pouco a perceber que aquela pequena desobediência do seu cachorro em ficar pegando seu sapato e mordendo os móveis seja um indício de comportamento destrutivo.

Algumas pessoas acham que é coisa da idade e assim demoram a interferir no comportamento destrutivo.

Conte o histórico do cachorro ao veterinário, relate o seu comportamento de destruição (ou outros sinais clínicos que ele apresente).

Quando e como começou a destruir as coisas e, se destrói quando você está perto ou longe, serão informações importantes, assim como dizer se o quadro vem evoluindo (se ele destrói cada vez mais) ou diminuindo (se ele está ficando mais sossegado).

O veterinário poderá pedir exames para verificar se não há outra doença que esteja desencadeando esse comportamento. […]

O problema deverá ser tratado como comportamental, se os exames nada acusarem.

 

TRATAMENTO PARA O COMPORTAMENTO DESTRUTIVO

Identificar a causa do comportamento é o primeiro passo para o tratamento.

Caso seja identificado algum tipo de doença no exame clínico, a mesma deverá ser tratada de maneira adequada.

Porém, se o problema não estiver na evolução de nenhuma doença, os tratamentos são feitos com instruções de comportamento e possivelmente medicamentos.

Quando há comportamento destrutivo primário, o treinamento de obediência é necessário para que seu cão aprenda que não deve morder o que não for brinquedo dele.

Nesse caso, se estiver no início, não é necessário usar medicação, mas caso você tenha dificuldades em realizar o treinamento sozinho, um adestrador experiente poderá ajudar.

No caso do comportamento ser de em nível secundário, será necessário educar cachorro a obedecer regras e limites (e talvez medicar).

O médico veterinário poderá instruir alguns exercícios para o dia a dia, mas um especialista em comportamento de cães é essencial para dar esse suporte, pois somente a medicação não surtirá efeito.

Os níveis mais avançados devem receber treinamento com Reforço Positivo (e medicação se necessária).

Para evitar o comportamento agressivo, a prevenção é sempre o melhor remédio.

É desde pequeno que se deve ensinar o animal a obedecer regras e limites e a não morder coisas que não lhe pertencem.

E para isso é preciso dar-lhe objetos (brinquedos) adequados e interessantes para ele morder.

A educação de um cachorro deve ser feita com Reforço Positivo (prêmios quando ele se comporta bem) e nunca com broncas e castigos.

Se o seu cachorro tem predisposição para fazer bagunça, contrate um educador de cães.

Alguns cuidados com seu companheiro canino, desde que ele é pequeno, evitarão que ele desenvolva um comportamento destrutivo.


Texto adaptado de http://www.bolsademulher.com/pet/seu-cachorro-destroi-tudo-que-ve-pela-frente-este-comportamento-destrutivo-em-caes-pode-ter-uma-causa-facil-de-ser-tratada-entao-veja-o-que-fazer


.

 

A cirurgia de castração evita doenças, previne tumores, facilita o convívio

e é garantia de bem estar emocional para os cães de companhia.

Leia e saiba mais  http://www.gatoverde.com.br/castracao/beneficios/

 

 

GatoVerde em defesa dos Direitos Animais